Sou
Nadir A D’Onofrio


Amanhecer radiante,
Nublada, tristonha, manhã chuvosa.
Preguiçosa tarde ensolarada,
Sol que a tudo aquece...
Fulgor das estrelas, brilho do luar,
Sou
O vento calmo, brisa refrescante,
Amenizando o calor do verão,
Sou neve que cai, cobrindo o chão...
Temporal de granizo rasgando a vegetação,
Arco-íris que se forma,
E como aquarela...o espaço alinda...
Sou
A seca, que castiga o sertão,
Fazendo o sertanejo chorar,
A perda da plantação.
Chuva tão esperada,
Que faz a semente germinar...
Sou
Temeroso vulcão,
Expelindo lava, petrificando o chão.
Árvore, matas florestas,
Beleza das flores se abrindo,
Pantera feroz defendo a cria...
Sou
A teia que a aranha tece,
Com o intuito de sobreviver.
Água que sacia a sede...
Veias da terra, em formato de rios,
Mar que banha os continentes...
Sou
Gorjeio dos pássaros, sinfonia do vento,
Estou contida, nos componentes minerais,
Do corpo da Terra e dos filhos dela.
Sou Essência Divina...
Sou
Vida...natureza!

 

Formatado por Lucia Trigueiro